Gestão estratégica de custos na construção civil

Gestão estratégica de custos na construção civil

Podemos dizer  que a gestão estratégica de custos é algo imprescindível para pequenas e grandes empresas, como visto no post anterior. Na construção civil ela ainda mais importante ainda.

No sentido de buscar melhorias nos padrões de qualidade e custo, para continuar não só sobrevivendo no mercado, mas para atingir uma  vantagem competitiva), é  super importante a mudança na postura gerencial ao qual as empresas estão amarradas, em especial para o setor da construção civil.

bdi-2

Para uma empresa do setor conseguir uma vantagem competitiva sustentável ela deve:

– Garantir a diferenciação de seu produto, principalmente através da qualidade do mesmo além da qualidade percebida pelo seu cliente

– Garantir uma  diferenciação do custo de seu produto, em comparação com os concorrentes de qualidade semelhante.Tudo isso do ponto de vista do cliente.

– Aprimorar seus padrões de qualidade em relação à expectativa do cliente;

– Avaliar o preço dos produtos em relação à expectativa do cliente e reduzir seus custos
para aumentar os lucros.

Para uma empresa da construção civil se manter competitiva em relação aos seus custos
um dos desafios mais importantes é o de Ajustar o preço do produto em relação à
expectativa do cliente.

Também importante é diminuir seus custos para aumentar os lucros.

bdi-1

Para alcançar esse objetivo deve inicialmente entender a estrutura dos custos  dentro da empresa, através da aplicação da contabilidade do ganho, e não simplesmente da aplicação da taxa de remuneração do tipo BDI.

É importante avaliar o preço no qual o cliente se sinta satisfeito em pagar.

Na medida em que se trabalha o mercado definido pelo posicionamento estratégico e seguindo a missão da empresa e suas diretrizes estabelecidas na formação de sua estratégica, temos as seguintes capacidades:
1. Agregar valor aos produtos, por intermédio de um modelo de qualidade que exceda as expectativas do cliente, mantendo assim o preço do produto ou mesmo aumentando o preço acima do preço da concorrência;

2. Manter o valor adicional ao produto e reduzir o preço, para conseguir vantagem
competitiva sustentável relativa ao preço.

Porém é importante  não atingir a política de qualidade estabelecida nas diretrizes da empresa.

 

Anúncios

A gestão estratégica de custos

Estamos vivendo um período de constantes mudanças no cenário econômico.

Muitas mudanças as quais as empresas precisam estar bem atentas para não serem
pegas de surpresa ou cometerem erros que possam prejudicar financeiramente.

Toda  decisão dentro do meio profissional é muito importante, pequenos erros podem gerar grandes prejuízos.

custos

Neste sentido tomar a decisão correta passa a ser a base do sucesso de toda a empresa.

Em virtude de todas essas continuas mudanças na economia e no ramo empresarial, para se manterem competitivas no mercado, as empresas são praticamente forçadas a aprimorar seus sistemas de informações gerenciais.

Buscam meios que sejam capazes de encontra erros em seus processos de forma tal venha a otimizar seus recursos evitando distorções, retrabalhos e perda de competitividade.

Em uma economia baseada nos juros compostos, qualquer diferença em termos de resultado pode ser a diferença entre perder ou ganhar. Saiba mais sobre sobre juros si site calculadora de juros compostos.

A gestão estratégica  passa a ser uma excelente meio a ser utilizada pelas
empresas, servindo de orientadora no momento de tomada de decisão.

custo2

A gestão estratégica de custos  busca conhecer toda a cadeia de valor desde a aquisição da matéria prima até o consumidor final.

O departamento contábil da empresa está diretamente ligado a essa metodologia.

Normalmente são eles que fornecem informações que serão usadas para estabelecer
estratégias tendo como foco a obtenção da vantagem competitiva, ou seja, a criação de um
valor melhor para o cliente por um custo igual ou mais baixo que aquele oferecido pelos
competidores.

Valor ao cliente é a diferença entre o que um cliente recebe e o que ele
espera receber em outras palavras é a superação das expectativas.

 

 

A educação financeira

A educação financeira se aprende ou é como um dom a desenvolver?

Seremos reféns do dinheiro ou da falta dele?

Qual o valor do dinheiro?

Estou realmente precisando comprar isso?

Estas e outras perguntas nos levam, a saber, como devemos administrar o dinheiro e ordenar a vida financeira!

Este planejamento pessoal é a chave para a auto-realização e para o sucesso pessoal, incluindo a motivação e o equilíbrio entre a vida pessoal e profissional.

Segundo Domingos( 2008,p.     ) educação financeira   “É muito comum ver a tentativa dos pais de mostrar aos filhos como é importante ganhar dinheiro, mas raros são os que se preocupam em prepará-los para administrar esse dinheiro gerando riqueza para si e para os outros”

planilha

 

A prática da educação financeira familiar deve ser como doutrinas.

Na realidade não aprendemos educação financeira com nossos pais porque eles não aprenderam com nossos avos na pratica somos orientados a ganhar dinheiro e não a administrá-lo.

Não devemos evidenciar para nossos filhos apenas a valorização e importância de ganhar dinheiro, mas também prepará-los para administrar esta captação.

Que deverá ser passado de pai para filho, com prioridade, para entender a administração e a real necessidade pessoal, é determinante receber estes ensinamentos desde a infância.

Para administração dos recursos ao longo da vida, para o exercício do poupar, se houverem mais pais equilibrados e conscientes é possível que tenhamos filhos bem sucedidos,

Segundo Domingos ( 2008, p.   )  “…A transmissão do conhecimento adquirido em relação à vida financeira deveria ser prioridade na formação desses filhos…” 

 

cofre

 

Há falha também nas escolas como explica o autor necessitando urgentemente de um apoio pedagógico disciplinatório com atividades complementar.

Tais como:

  • conhecimento de papel moeda e moedas,
  • visitas a supermercados e comparações de preços,
  • necessidades reais das quais os alunos vivenciam na pratica

Nas universidades os alunos não seriam apenas orientados a administrarem suas carreiras mas também o seu dinheiro, uma extensão da educação familiar, não priorizando o valor do dinheiro mas a realização de um sonho ou um futuro controlado financeiramente.

Saiba mais

 

 

O Balanced Scorecard (BSC)

O Balanced Scorecard (BSC) foi criado por Kaplan e Norton em 1992 com o intuito de medir o desempenho de toda a empresa através de indicadores financeiros, com efeitos sobre os juros compostos.

E não-financeiros tais como mercadológicos e estratégicos. Assim garantir a implantação das estratégias elaboradas pelos gestores.

Seus efeitos positivos em diversas situações são motivos para a sua adesão em um número cada vez maior de empresas.

Esses indicadores estão diretamente relacionados aos objetivos estratégicos da empresa e devem estar presentes em todos os níveis hierárquicos.

 

indicadores-bsc-financeiro

 

Ou seja, níveis estratégico, tático e operacional, a fim de que cada colaborador possa se comprometer com a estratégia da empresa.
Segundo esses indicadores devem abranger quatro perspectivas:

  1. financeira
  2. clientes
  3. processos internos
  4. aprendizado e crescimento

Na perspectiva financeira, deve-se avaliar as medidas adotadas estão gerando resultados financeiros, seja através do aumento das receitas por meio da ampliação na participação no mercado, ou através do melhor aproveitamento dos recursos utilizados.
Isto é, por meio do crescimento da produtividade, gerando desta forma maior retorno monetário para os acionistas.
Na perspectiva dos clientes, elemento fundamental para qualquer organização, sem os quais esta não se mantém, é necessário a criação de indicadores que mensurem os resultados oriundos do relacionamento dessas duas partes envolvidas, principalmente no que refere à satisfação dos clientes.

Na perspectiva dos processos internos, as medidas de desempenho devem acompanhar quais desses são críticos para a satisfação dos clientes e consequentemente para a rentabilidade dos sócios da empresa.
Na perspectiva do aprendizado e crescimento, os indicadores devem levar em consideração quais os aspectos fundamentais inerentes à capacitação dos colaboradores influenciarão na efetividade dos processos internos e, logicamente, na satisfação dos clientes e na rentabilidade da organização.

indicadores-bsc

O sucesso do BSC depende do gerenciamento de quatro processos presentes na sua implementação:

  • a tradução da visão, ou seja, explicação da estratégia em termos que cada colaborador entenda a sua lógica;

 

  • a comunicação e ligação, que consiste em mostrar como cada um pode contribuir para a consecução dos objetivos estratégicos, alinhando dessa forma os objetivos de curto, médio e longo prazos;

 

  • planejamento do negócio, cuja premissa é a de adoção de prioridades na alocação de recursos de acordo com as metas de longo prazo; e

 

  • feedback e aprendizado, no qual a gestão estratégica se torna um processo contínuo através de um monitoramento que envolve o comprometimento de todas as pessoas com o empenho de sempre buscar melhorias, resultando em possíveis mudanças nas quatro perspectivas do BSC.